Geral

Published on outubro 28th, 2015 | by Luciano Billotta

0

Jairo Guedz, do Sepultura, fala sobre plastimodelismo

Jairo Guedz, primeiro guitarrista da banda Sepultura(uma das mais influentes dos anos ’80/’90), considerada até hoje a banda brasileira de maior repercussão mundial ajudou-nos com o post de hoje, que é bastante especial.

Você vai ver por essa conversa descontraída que, por incrível que pareça, heavy metal e plastimodelismo andam juntos. Jairo também é praticante do hobby há bastante tempo e até ano passado ministrava aulas de pintura em miniaturas. Leia abaixo como foi essa conversa:

——-

Como e quando começou o seu interesse pelo plastimodelismo?

Desde criança, nos anos 70, meu pai comprava Revell pra mim aqui em Belo Horizonte. Adorava montar coisas, comprava revistas “Destaque e Brinque”, fazia casas em papelão, etc… depois larguei tudo por causa da música, minha carreira com o Sepultura e com outras bandas que vieram depois me fez deixar de lado as montagens.

As viagens pro exterior, morar fora do país, todo conhecimento que absorvi em museus espalhados pelo mundo me fez querer voltar a montar. No início dos anos 90 eu estava de volta e meus primeiros mestres nessa nova “jornada” foram o Raul Aguiar e Sérgio Enoch de Belo Horizonte, e o Marcelo Guerra de São Paulo.

O cotidiano de um músico famoso é bem exigente. Como você concilia essa rotina agitada com a prática do plastimodelismo?

No início eu ficava muito tempo fora do país, aí só tinha tempo pra me dedicar à museus, locais onde foram travadas algumas das batalhas da Segunda Guerra, galerias, etc… voltei a montar com mais afinco a partir da minha “aposentadoria” em 2006… mas tô de volta ao mercado da música de novo, então, tá dificil… kkkkkkk

Entrevista com Jairo Guedz

Uma das miniaturas do Jairo.

Como surgiu a ideia de ministrar aulas de pintura de miniaturas? Como são as aulas e quais públicos você atende?

Eu decidi dar aulas logo que larguei a minha estrutura como músico na Europa, saí da minha banda e decidi viver aqui mesmo, ao lado dos meus filhos e amigos… um amigo me deu essa ideia e até o último ano eu ministrava aulas para todo tipo de público, desde alunos de cursos de arquitetura em formação, plastimodelistas amigos, ferromodelistas, etc…

Qual foi o primeiro kit que montou? E qual é o kit mais precioso da sua coleção?

O primeiro kit que montei e me lembro foi um navio bombeiro da Revell… nos anos 70 ainda. Hoje não coleciono mais, tudo que fiz e ainda faço é vendido. Não tenho nenhum kit meu comigo mais.

Quais categorias você prefere montar?

Eu sempre fui apaixonado pelos veículos e figuras da Segunda Grande Guerra, quase sempre na escala 1/35.

Você vê alguma ligação entre o plastimodelismo e a música?

Acho que sim, são duas artes que exigem estudo e concentração… os grandes músicos e grandes plastimodelistas são quase sempre muito detalhistas, beiram o perfeccionismo e são apaixonados pelo que fazem. Mas o que mais une essas duas artes é o conhecimento que se adquire à medida que você desenvolve um trabalho específico.

Como você vê a prática do hobby aqui no Brasil? Você costuma participar de eventos de Plastimodelismo?

Participava mais, hoje muito pouco… mas acho que ainda falta muito pra gente ter um mercado coeso e com bases sólidas. Talvez o “nosso” maior erro, e digo isso do hobby, da música e de outros mercados também, seja o fato de ainda confundirmos “concorrência” com “inimizade”.

A concorrência só é sadia para todos os envolvidos, incluindo, claro, os clientes, quando “ela” está pautada na parceria. Só através de uma “parceria” ou “concorrência” com respeito é que esse (e outros mercados) vão sobreviver… principalmente num país onde o governo é seu pior “sócio” e não nos ajuda em nada.

Que mensagem você deseja deixar para a comunidade plastimodelista do Brasil?

O hobby deve ser levado à sério, exige estudo e dedicação, mas não caia no “erro” de levar tão à sério a ponto de te deixar irritado, estressado ou mesmo a ponto de criar inimigos. No mais, aproveite a montagem!!!

——-

Jairo Guedz atualmente possui um empreendimento com alguns sócios, onde aproveita suas habilidades de plastimodelista. É uma loja, ateliê e ponto de encontro para aqueles que curtem a cultura kustom, hot rod e música underground. 

Ela se chama ChopperHead Garage e fica em Belo Horizonte, você pode encontrar mais informações na página da ChopperHead no Facebook. A foto principal que ilustra esse post é de uma matéria da Just Ride Along sobre a ChopperHead.

Bom, esse foi o papo com Jairo Guedz mostrando o lado de plastimodelista que acredito poucas pessoas conhecem. Fica aqui o nosso agradecimento ao Jairo pelo tempo despendido ao conversar conosco.

Também agradecemos a um amigo plastimodelista, Christiano Couto que nos ajudou a entrar em contato com o Jairo para que essa conversa pudesse ocorrer.

Espero que tenha gostado do post. 🙂

Abraços e até a próxima.


Gostou da leitura? Dê uma passada na Loja da Usina dos Kits, confira dezenas de produtos para a prática do plastimodelismo e adquira já o seu!


Tags: , , , , , , , , , ,


About the Author

Engenheiro e Mestre em Eng. Elétrica, Empreendedor, Gestor e Coach fascinado pelo mundo do Empreendedorismo e Gestão Empresarial. Trabalha há mais de um ano com Empreendedorismo Digital e é um dos fundadores da Usina dos Kits.



Back to Top ↑