Geral

Published on agosto 21st, 2014 | by Bruno Barros

0

Entenda os jargões usados no Modelismo

Quando você viaja para algum país, fica sempre a dica de aprender algumas expressões e palavras que irão te auxiliar em diversas situações do dia-a-dia. O que não é diferente, de quando você entra numa área de conhecimento em que há palavras específicas para cada assunto. Assim, com o intuito de ajudar a você entender e ficar mais à vontade num bate-papo sobre plastimodelismo, a Usina dos Kits traz uma lista de palavras mais usadas dentro deste mundo. Então, vamos lá!!!

A

Árvore (sprue) – estrutura na qual as peças vêm conectadas. Geralmente os “sprues” têm outras finalidades: como preenchimento de vãos ou podem ser esticados com o uso de calor, para reprodução de cabos.

Adesivo (Drytransfer) – ao contrário dos decalques que podem ser fixados através do uso de água e de sua secagem, os adesivos são postos apenas pressionando-os contra a superfície desejada. São mais comuns em kits mais simples (Snap, nível 1).

Aerógrafo (Air Brush) – pistola de tinta compacta. Necessita, geralmente, de um compressor de ar (que pode ser substituído por uma garrafa de ar comprimido).

B

Box Art – desenho ou gravura que vem no topo da caixa. E é o que costuma chamar mais atenção do modelista.

Burn Out – efeito conseguido com pintura para reproduzir uma peça consumida pelas chamas.

Busy up – ato de preencher um modelo ou diorama com detalhes.

Box Scale – escala totalmente não padronizada, o que impede de fazer composição com dioramas.

C

Cera para transparência (Future ou Brilho fácil) – são ceras usadas para incrementar o brilho e o acabamento de peças transparentes.

Chopping – técnica usada no rebaixamento do teto de miniatura de carros. Consiste em cortar uma seção das colunas e adaptar as partes restantes.

Ciano Acrilato – nome genérico para dado a supercolas (ex. superbonder).

Contra-peso/lastro (Ballast) – massa usada dentro de certas aeronaves para evitar que a cauda fique assentada indevidamente.

Contador de rebite – termo usado para se referir a certos modelistas obsessivamente ligados a detalhes, por exemplo, o número de rebites de cada painel do avião, a tonalidade exata de alguma cor, etc…

Cruzamento (Kit bash) – trata-se da técnica de cruzar peças de dois ou mais kits de fabricantes diferentes do mesmo assunto.

D

Decalque (Decal) – gravura fixada em um filme que reage com água, liberando-a para aplicação na superfície desejada (no kit). Sua principal função é decorativa.

Diorama – reprodução estática de uma cena real ou ficcional.

Dry sanding – processo de lixamento, sem o uso de água para remoção de material particulado. Como o resultado não é estético mas puramente funcional, é muito usado na construção dos kits antes da pintura.

E

Escala – mostra o fator de redução ao qual um modelo é submetido. Comumente é expressa na forma de um número separado de outro com uma barra (como uma fração). No numerador desta fração usa-se o 1 que indica o tamanho real, já no denominador indica o fator de redução. Quanto maior o denominador menores serão as dimensões do modelo.

Estilete (Hobbyknife) – instrumento cortante cuja a lâmina pode ser trocada assim que se perde o fio.

Escala Braille (Braille Scale) – kits produzidos em escala 1/72 ou menores.

Escala Constante (Constant Scale) – escalas mais populares do mercado (1/32, 1/24, 1/72, 1/48…).

Estireno – polímero comumente usado como matéria prima na fabricação de kits.

E.T – terminologia engraçada referente ao modelistas que montam miniaturas com qualidade e riqueza de detalhes muito acima da média.

F

FS (Federal Standart) – sistema de padronização de cores norte americano.

Furadeira Manual (Pin vise) – ferramenta manual com formato geralmente de caneta, com mandril na ponta onde são encaixadas mini-brocas.

G

Giz pastel – pigmento comprimido no bastão que pode ser usado para replicar intemperismos.

Goiaba – refere-se a kits que parecem ser de excelente qualidade (às vezes sendo até de fabricantes renomados). Uma vez iniciada a montagem constata-se, no entanto, que a acurácia e/ou qualidade deixa muito a desejar.

H

I

Injeção – processo de fabricação de kits na qual a matéria-prima derretida é injetada dentro dos moldes. No caso de plastimodelos usa-se comumente poliestireno; para o die-cast usa-se metal fundido.

Intemperismo (weathering) – também conhecido como desgaste, consiste na aplicação de variadas técnicas para se reproduzir um visual mais realístico da pintura de um modelo, levando em conta que veículos reais podem sofrer a ação do sol, maresia, poeira, lâmpada, fogo etc…

IPMS (International Plastic Model Society) – Organização Internacional que possui representações em diversos países, sendo possível haver ramificações dentro de regiões. Por exemplo: IPMS-Brasil, IPMS-Rio de Janeiro, IPMS-USA, etc…

J

Jaca – kit muito ruim.

K

Kit Multimídia – são kits cujas peças vem em mais de uma midia. Exemplo: kits de tanques que vêm com as lagartas em borracha e as demais peças em plástico – você tem duas midias. Entre as mídias mais comuns enumeram-se : plástico, resina, alumínio, latão e borracha.

L

Lagartas tipo peça-seção (link-by-length) – são representações de lagartas divididas em peças individuais alternadas com seções completas.

Lagartas peça-a-peça (link-by-link) – são representações de lagartas onde cada peça deve ser individualmente conectada às demais.

M

Mascaramento – processo que consiste em isolar uma área para que evite receber pintura. Pode ser feito com fita adesiva, massa adesiva ou mesmo com máscara líquida.

Massa de correção (Filler/Putty) – massa aplicada em junções ou em depressões para eliminar falhas.

Mini serra (Saw e razor saw) – serra para cortes e destaque de peças. Enquanto há modelos maiores para trabalhos mais pesados (incluindo scratchbuilding), outros modelos são especializados para destaque de peças mais delicadas e de difícil acesso.

Mercado Paralelo (Aftermarket) – é um mercado formado por marcas cujos produtos destinam-se a melhorar a acuidade de um kit padrão de fábrica ou distingui-lo da versão de fábrica.

Metal-Natural (Natural Metal Finish) – forma de acabamento muito usada durante a 2ª Guerra Mundial até a década de 70, em aeronaves. Consiste em deixa o avião com as superfícies metálicas externas sem camuflagem. Pode ou não, sofrer polimento.

Modulação de cor – efeito que consiste em fixar luzes e sombras sobre uma miniatura indicando um ponto de luz artificial específica.

N

O

Overspray – tinta aplicada com aerossol ou aerógrafo que incidentalmente cai em uma área indesejada do modelo.

Optivisor – espécie de óculos com lentes de aumento.

P

Pincel seco (Dry Brush) – técnica que consiste na passagem de pincel com pouquíssima tinta afim de avivar detalhes em alto relevo e/ou quinas.

Pino de Injeção – defeito causado durante o processo de injeção/moldagem de um kit. Costuma ser localizado nas superfícies internas e tem formato circular, podendo ser uma depressão ou podendo estar em alto relevo.

Pigmento – pó colorido que pode ser misturado em água ou outro tipo de solvente para pintar uma superfície. Também serve para dar efeito de lama e terra acumulada.

Pin wash – técnica de wash empregada em áreas específicas da réplica.

Q

R

Regressão (Back Dating/ Downgrade) – consiste na conversão de um modelo para uma variante mais antiga/simplificada.

Rebarba (Flash) – recorrente de falha de moldagem dos kits, as rebarbas são excessos de plástico causados geralmente por moldes gastos.

S

Scriber – ferramenta com ponta afiada, destinada a cavar marcas no modelo. Muito usado para converter um kit de alto relevo em um de baixo.

Scratchbuilding – técnica que consiste na melhoria do detalhamento de kits através da fabricação peças caseiras. Essas peças podem vir do reaproveitamento de objetos (latas, embalagens, cartões telefonicos, etc…)  ou de material “virgem” (tubos, perfis e folhas metálicas ou plásticas).

Silvering – ocorre quando um decalque é aplicado em uma superfície incorretamente preparada. É chamado de silvering, pois as bordas do decalque acabam ficando com aspecto preteado, indicando sua não adesão a superfície.

Síndrome modelística avançada (Ams-advanced modelling syndrome) – termo criado pelos americanos que designa a situação na qual um modelista simplesmente não consegue se contentar em montar uma miniatura apenas com os detalhes e peças fornecidas pelo fabricante, recorrendo a sets de resina, scratch ou photo-etched.

Snap kit – kit para iniciantes, que dispensam o uso de cola e quase sempre o uso de tintas.

Springing – simulação do funcionamento da suspensão de um veículo terrestre em um diorama, acrescentando realismo a cena.

Stretched sprue/straching – técnica que consiste em esticar um segmento da árvore com o uso de calor.

Submontagem (Subassembly) -à medida que um kit torna-se mais complexo é exigido mais planejamento na hora de se levar à cabo a sua montagem. Montar separadamente motores, chassi, cockpit costuma ser mais indicado do que seguir à risca as instruções de montagem, em muitas vezes.

T

Tami-Gawa – contração dos nomes dos fabricantes japoneses Tamiya e Hasegawa usada para definir quaisquer kits de alta qualidade construtiva.

Tinta Acrilica – também chamada de tinta baseada em água (por ser solúvel na mesma). É um pigmento suspenso num polímero acrílico.

Tinta a Óleo (Artist Oil) – tinta artística usualmente diluída com solvente minerais (aguarrás, ecosolve).

Teste de Montagem (Dry-fit) – 0 objetivo deste teste é checar falhas, empenos ou defeitos de quaisquer natureza antes da colagem definitiva das peças.

U

V

Vista em corte (Cutaway) – consiste na montagem de modelos com a ausência proposital de chapas de seu revestimento com o intuito da demonstração do interior dos mesmos. Não confundir com os detalhes que são exibidos quando são deixadas portas e escotilhas abertas.

Vaccuum-forming – processo de fabricação de certos kits (de baixa tiragem) no qual uma folha de plástica aquecida é posta sobre um molde, e então é formado um vácuo sob ela. Por a folha estar aquecida, isso causa a sua conformação ao molde. Embora hoje, não seja mais tão usada na replicação de kits completos, ainda é uma das formas preferidas para moldagem de canopies.

Vinheta – as vinhetas ou dioramas representam cenas nas quais é criado um contexto para um ou mais kits.

W

Wash – técnica que utiliza tintas e pigmentos específicos “geralmente muito diluídos” usados para ascender detalhes em baixo relevo.

Wash reverso (Reverse wash) – técnica usada em modelos de alto relevo, que consiste em destacar as linhas do painel. Resume-se a pintar tais linhas em um tom escuro (geralmente preto) e selá-las com verniz. Segue-se a isso a pintura normal da réplica. Uma vez pintado o modelo, as linhas são cuidadosamente lixadas até revelar novamente a cor com que elas foram inicialmente pintadas.

Wet sanding – processo no qual usa-se água em conjunto com uma lixa. A água remove o material desbastado pela lixa, prevenindo a ocorrência de arranhões. Muito usado na fase de acabamento.

White metal – liga metálica formada por estanho e chumbo muito usada para criação de peças em kits multimídia.

X

Y

Z

 

 

Fontes:

www.plastibrasil.org

www.kitmaniac.com

www.finescale.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Gostou da leitura? Dê uma passada na Loja da Usina dos Kits, confira dezenas de produtos para a prática do plastimodelismo e adquira já o seu!


Tags: , , , ,


About the Author

Engenheiro da Computação. Especialista em Infraestrutura de Redes de Computadores em Ambientes Corporativos de TI. Um dos fundadores da Usina dos Kits ; )



Back to Top ↑