História heller

Published on janeiro 23rd, 2017 | by ES1

0

Fabricante em enfoque: Heller

fabricante em enfoque hellerOrgulho francês

A história da Heller é uma das mais ricas e conturbadas do plastimodelismo e vale à pena ser contada até porque praticamente todos nós já nos deparamos com miniaturas dessa produtora francesa. Prontos, mes amis?

Leo Heller Jahiel

O Sr. Leo Heller Jahiel dentro de um Fouga-Magister quando do lançamento do kit dessa aeronave na 1/40 na década de ’60

Em um dia de 1957, o empresário Léo Heller Jahiel montou a firma Heller S.A. e pôs sua sede na cidade de Paris. Em menos de um ano a empresa já lançava no mercado seu primeiro kit, o SNCASE SE210 Caravelle na 1/100. Vale lembrar que esse belo avião tinha apenas 3 anos de operação à época e foi um dos grandes sucessos da indústria aerospacial civil da França.

Logo no ano seguinte, o Sr.Jahiel deu um passo importante para a empresa ao fechar uma cooperação com o Exército Francês, o que abriu a chance de a Heller pôr no mercado kits de veículos militares. Com isso, o portfólio francês ficou bem mais abrangente, atraindo cada vez mais olhares. Não foi à toa que já no ano de 1960 ela já começava a exportar produtos para os EUA, além do resto da Europa. Nessa época, a Heller já tinha batido a marca do 1º milhão de kits vendidos.

O aumento da produção, a necessidade de amplo espaço físico e a escassez de áreas baratas na capital francesa fez com que a Heller procurasse abrigo mais ao norte. Abrindo as portas em Trun(sudeste de Caen), o que a põe no departamento do Orne(equivalente às nossas UFs), ela ficou bem mais perto de portos importantes como Cherbourg, facilitando suas exportações. Nessa época, os franceses conseguiram mais uma (grande) conquista: autorização do governo da URSS de ter acesso a plantas de 5 veículos soviéticos.

Sede Heller

A Heller-Joustra, em Trun, Normandia

A Heller absorve companhias e cresce

le jouet françaisEm seu apogeu, a Heller uniu-se a Solido(fábrica de carros de metal), Jouef(ferreomodelismo HO) e Delacoste(brinquedos). A Le Jouet Français(Brinquedos da França) era assim formada.

Nesse ínterim, um dos mais emblemáticos kits da Heller foi posto no mercado: o le Soleil Royal (um navio de guerra do Almirante Tourville) com mais de 2000 peças! Nem é preciso dizer o impacto de um kit com duas mil peças em 1974…

le soleil royal hellerQuem achou que os franceses deram-se por satisfeitos com aquele navio, estava totalmente enganado: em 1977 chegava ao mercado o Citroën Traction Avant 15cv na escala 1/8. Para garantir a precisão do modelo, um carro foi adquirido e inteiramente desmontado pelos técnicos da fábrica de Trun. No mesmo ano, a Heller chega à Escandinávia.

Mas os ventos estavam prestes a mudar…

As crises atingem a empresa

Embora aparentemente indo muito bem, a Heller viu-se nos anos ’80 com problemas administrativo-financeiros muito sérios, o que forçou à dissolução da Le Jouet Fraçais em 1981: a Solido foi arrematada pela Majorette, a Vullierme(hoje, Eligor Models) ficou com a Delacoste e a Jouef foi para as mãos do conglomerado CEJI.

E a Heller?

Bem, aqui começa a união que perduraria por décadas: a Heller foi adquirida pela Hobby Products Group, que era dona da Humbrol. Cinco anos depois, em 1986, a Airfix (que também estava mal das pernas) foi arrematada pela HPG e a produção de seus kits passou a ser feita em Trun, usando a infra-estrutura herdada da Heller.

Anos depois, já na década de ’90, a Heller resolveu estender sua linha de produtos, passando a fornecer tintas, inclusive com seus kits, procurando manter fôlego. Nesse meio-tempo, a HPG mudou de mãos, e com ela, todas as empresas que eram suas integrantes, para um grupo de investimento irlandês. Para a Heller, foi ótimo, pois houve um aporte de 31 milhões de francos, que deram uma boa injeção de ânimo nas operações. Pelo ano de 1995, a Heller já era vendida oficialmente em 56 países!

A vida sob batuta de estrangeiros viria a terminar no ano de 1999, quando a fabricante de brinquedos francesa Joustra a comprou. Por 6 anos, o conglomerado de fabricantes de artigos para plastimodelismo que era formado por Heller, Airfix e Humbrol estava sob controle francês. Foi nesse período que a Airbus pediu que um A-380 fosse feito na 1/125.

Então, o interesse da Hornby PLC apareceu. A empresa sediada em Kent arrematou a Airfix e Humbrol, mas não se interessou pela Heller que, contudo, achou-se nas mãos do grupo MANOP(Manufacture d’Objet Précieux) a partir de 2007. Reorganizando-se, foram lançados kits como os Citroën C4 e DS3 de rali, além do transporte blindado VBCI. Nessa época, houve uma mudança radical na identidade visual da empresa e novos moldes passam a ser usados.

Até o ano de 2016, a Heller estava funcionando a todo o vapor e recuperando dinheiro das perdas substanciais que sofrera nos últimos anos. Ocorreu, contudo, uma crise gerada pela desaceleração do consumo generalizada na França desde os ataques terroristas de novembro de 2015. A Maped(Manufacture d’Articles de Precision Et de Dessin) comprou a Heller-Joustra e injetou alguns milhões de euros e os franceses continuam na ativa até hoje.

A linha de kits

Os primeiros kits(como é de se esperar) eram muito simples e primitivos, além de não possuírem muita padronização em termos de escala, mas melhoraram significativamente durante os anos ’70. A grande jogada dos franceses foi ofertar algo diferente, muitas vezes único, o que eliminava a preocupação com a concorrência.

helldiver hellerKits como o Curtiss SBC Helldiver, o Canadair 215 e aviões comerciais como o DC-4, Constellation, Concorde e 707 são partes integrantes do cardápio francês(ou deveria chamar de menu?) até hoje. Na parte militar, além do Helldiver, há o único Me-109K4 1/72 disponível no mercado, inúmeras variantes do Puma/Super Puma/Cougar, Ecureuil/Esquilo(para delírio dos modelistas brasileiros), Mirage III/5, 2000(B, C, N e -5) e Mirage IV, Nord Noratlas, Transall C-160 Gabriel de ELINT, Rafale(A/C), Su-27UB, Arado Ar-96, Messerschmitt Bf-108 Taifun e Dassault Ouragan.

heller kits 1

Diversos navios estão presentes na linha francesa, mas não espere padronização nas escalas(conforme se vê nas militarias e aviação): a Heller apresenta seus kits divididos na linha 1/400 e 1/600. Embora vejamos kits em comum com outras fabricantes, como os Panzerschiff alemães(Sheer, Lützow e Spee), o Uboot Typ VII e o destróier Z31, outros kits são praticamente próprios da fabricante como o Foch(hoje, NAe São Paulo), a fragata Duquesne, a La Fayette, os destróieres Surcouf e Marceau e encouraçados como o Richelieu, Jean Bart, Strasbourg.

kits heller

Além desses, há a linha civil, que conta com rebocadores, navios de pesquisa e traineiras e uma linha de navios históricos. Dentre os últimos há embarcações viking (em escalas que variam entre 1/60 e 1/180), navios britânicos, galeões espanhóis, caravelas portuguesas e navios à vela clássicos da esquadra francesa como o Soleil Royal 1/100, Le Gladiateur 1/200 e o Corsair 1/150.

kits heller 3Na parte de militarias, como é de se esperar, vamos ver muitos kits que representam veículos franceses famosos como os Somua S.35, AMX 30/105 MBT, AMX13, Leclerc, VAB 4×4 e 6×6. Já outros são muito menos comuns, como o AMX-30 DCA(versão antiaérea do AMX-30) e AMX-13/75 com mísseis SS-11(que ganhou versão recente da Takom). Entre os kits menos exóticos, pode-se contabilizar os Leopard 1 e 2 alemães(e o Gepard SPAAG), o Sherman(em várias versões), o Churchill inglês, o Panther, o jipe americano Willys MB e o caminhão GMC CCKW além do Opel Blitz alemão. Já as figuras vêm em sets representado todos os principais beligerantes daquele conflito em roupagem de verão(nada de infantes com sobretudos e casacos para o inverno). As escalas são padronizadas em 1/35 e 1/72.

No capítulo de veículos, a Heller subdivide sua linha entre carros de passeio e utilitários, caminhões, tratores e motos.

kits heller 3As motos abrangem modelos europeus e orientais de passeio, corrida ou de serviço na escala 1/8. Entre eles é possível ir desde as Laverdas até as Hondas, passando por BMW e Ducattis, tanto civis, quanto as de corrida e as de polícia.

kits heller 5Os caminhões possuem alguma variedade de ofertas, com Mercedes e Scanias, mas a Heller invariavelmente puxa para os Renault e Delahaye. Assim como a Italeri, é possível comprar carretas separadamente dos caminhões.

kits heller 4A linha de carros possui diversos veículos estrangeiros: Porsche 911 RSR, Subaru Impreza, Mitsubishi Lancer, Shelby Mustang GT500, Porsche 928, Porsche 908, Porsche 917, McLaren M7A, Ferrari 512M, Ferrari 330P4, Lamborghini Diablo e Silhouette e Lancia Beta Turbo integram parte do time estrangeiro. Já para os carros franceses, temos aqui Peugeot 205, Renault Vivastella, Delage D8SS, Peugeot 905 EV1 Bis, Citroën DS3 WRC, o 2cv e o Traction Avant, Renault TN6 C2, 4L e 4cv…

Para os iniciantes, há uma linha específica de kits 

Como foi montar um kit da Heller?

mirage iii htc heller

Minha experiência com a Heller não começou com esse carinha daí de cima: o meu primeiro kit francês foi um Audi Quattro 1980 Clic-Clac, mas como foi montado de qualquer maneira, nem falarei dele agora(farei um post especial mostrando o processo de recuperação/upgrade mais pra frente).

Voltemos ao Dassault Mirage III 1/72…

mirage iii heller

O kit vem com peças extras para a versão de reconhecimento “IIIR”. A foto é o Mirage III original de 1976. A diferença para a variante da HTC é a cor do plástico e os decalques para a FAB.

Trata-se de um kit bem antigo(original de 1976), então podia esperar por altos relevos e falta de detalhes que hoje não podem mais passar despercebidos. De fato, o avião tinha forma de Mirage, mas carecia de diversas melhorias para ficar passável como os canhões DEFA completamente ausentes; detalhamento do cockpit, dos porões de roda e tubeira do Atar-9C(tudo bem espartano, mas condizente com a época em que foi lançado). Entretanto havia coisas bem legais no modelo, como a presença de dois pares de tanques de combustível sub-alares! A montagem transcorreu de forma bem tranqüila, com a necessidade de um pouco de massa aqui e ali para correção de alguns encaixes, mas nada preocupante. Se esse kit ganhasse moldes novos, minha sugestão seria a adição de mísseis 550 Magic, do míssil R530 na estação ventral, novos cockpit+porões de roda+tubeira e rebaixamento do relevo.

mirage 2000 heller

Um dos melhores kits à disposição

Assim como a Revell e a Airfix, a Heller ainda insiste em oferecer kits com moldes defasados em caixas novas, o que pode tornar algumas ofertas tentadoras em verdadeiras armadilhas para os modelistas menos experientes. Por outro lado, há ofertas de kits mais modernos e de muito melhor qualidade como o CCKW, Somua, Jaguar A e Mirage 2000C.

Conclusão

A Heller é uma marca extremamente tradicional e com um invejável portfólio de produtos diferenciados. Mas cabe agora aos franceses tomar o mesmo caminho da antiga empresa-irmã, a Airfix, e passar a investir mais em novos moldes, especialmente para kits que são mais exclusivos, como o Me-109K4, os carros da família AMX e companhia.


Gostou da leitura? Dê uma passada na Loja da Usina dos Kits, confira dezenas de produtos para a prática do plastimodelismo e adquira já o seu!


Tags: , , , , , , , ,


About the Author

Engenheiro de computação formado na UFES e com diversos cursos na área de redes e tráfego de dados, absolutamente louco por carros, aviões, trens, tanques, caminhões, história e estratégia. É o braço técnico da UdK.



Back to Top ↑